Luiz Lima e Mario Borges Júnior, Presentes!

Perda de terceirizados no TA Suape e RNEST evidenciam a necessidade de enrijecimento das medidas sanitárias nas bases de Pernambuco.

Texto: João Lucas Gama

É com profunda tristeza que o Sindipetro PEPB vem lamentar o falecimento dos companheiros Luiz Claudio de Lima, técnico de apoio da Empresa Brasileira de Perfurações (Perbrás) e trabalhador terceirizado do Terminal Aquaviário de Suape (TA Suape), bem como do engenheiro elétrico Mario Borges Júnior, trabalhador terceirizado na Refinaria Abreu e Lima (RNEST); ambos vítimas da Covid-19. Eles deixam filhos e esposas, além de amigos, familiares e colegas de trabalho; a eles e a elas, a direção do Sindicato dos Petroleiros de Pernambuco e Paraíba transmite seus mais sinceros sentimentos e expressa sua solidariedade. Desejamos que encontrem conforto nesse momento de dor.

Luiz Claudio testou positivo para o Coronavírus no dia 11 de março; seis dias depois deu entrada no hospital, apresentando sintomas mais graves da doença. Após gradativa deterioração em seu quadro clínico, fez-se necessária sua intubação, as 9h da manhã do dia 31 daquele mês. No mesmo dia ele veio a óbito, apenas algumas horas depois do procedimento.

Luiz Lima, como era conhecido, prestou serviços para a Transpetro por quase 10 anos, tendo passado por várias bases da empresa. Nos últimos anos esteve lotado no TA Suape, onde trabalhou como terceirizado no planejamento de manutenção e planejamento de materiais da unidade.

Apesar de já circularem notícias de casos de infecção entre trabalhadores próprios e, principalmente, terceirizados, este foi o primeiro caso de morte por Covid-19 no Terminal Aquaviário de Suape. Ainda ontem (5), o Sindipetro PEPB tomou conhecimento também do falecimento do engenheiro elétrico Mario Borges Júnior, que trabalhava para a empresa terceirizada Engecampo, prestadora de serviços na Refinaria Abreu e Lima (RNEST).

Há informações que a Engecampo já contabiliza outros 25 casos de contaminação pela Covid-19. No entanto, nem as gerências do TA Suape e da RNEST, nem tampouco as empresas terceirizadas, têm divulgado dados relativos ao avanço das infecções entre trabalhadores e trabalhadoras das respectivas unidades, o que dificulta o enfrentamento à doença e a proteção das pessoas que ali laboram.

O Sindipetro destaca que é de fundamental importância que haja transparência e estratégia para evitar que o Terminal Aquaviário de Suape, ou que a Refinaria Abreu e Lima se tornem novos focos de contaminação no Sistema Petrobrás, ou que aconteça um surto da doença, a exemplo do que vem acontecendo na Refinaria Landulpho Alves (RLAM) e na Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar).

Com uma taxa de ocupação de 86% nas enfermarias e 97% nas UTI’s (totalizando uma média geral de 92% dos leitos hospitalares) na rede pública, somada aos índices 88% dos leitos de UTI e 66% das enfermarias (equivalente a uma média geral de 78%) na rede privada, Pernambuco está entre os oito estados brasileiros com o maior grau de ocupação hospitalar.

Cobrar responsabilidade das gerências com seus trabalhadores e trabalhadoras (próprios/as e terceirizados/as) no pior momento da pandemia não se trata de uma politização cega dos fatos, mas de um compromisso ético e humanitário, a fim de evitar que mais famílias sintam a dor que agora sentem as famílias de Luiz Claudio de Lima e Mário Borges Júnior.

TV SINDIPETRO PE/PB

Siga-nos no Twitter