Um ano depois de vender ramo de fertilizantes da Petrobrás, Bolsonaro fala em desabastecimento no país

A citação do presidente se deu um evento no Palácio do Planalto, ontem, enquanto voltava a subir o tom diante das críticas. “Vou avisar um ano antes: fertilizantes. Por questão de crise energética, a China começa a produzir menos fertilizantes. Já aumentou de preço, vai aumentar mais e vai faltar”, disse o Bolsonaro expondo sem nenhuma vergonha a dependência externa em que o Brasil se encontra quanto a necessidade de importação de um insumo básico para a agricultura.

Até agosto de 2020 a Petrobrás produzia fertilizantes nitrogenados, através das unidades localizadas nos estados da Bahia (Fafen-BA) e Sergipe (Fafen-SE). Ambas foram vendidas para a Proquigel Química. A Fafen-BA tem capacidade de produzir 1.300 toneladas de ureia por dia, além de amônia, gás carbônico e agente redutor líquido automotivo. Enquanto a Fafen-SE pode produzir até 1.800 toneladas de ureia por dia, sulfato de amônio, amônia e gás carbônico.

Também em 2020, no mês de fevereiro, o governo federal por meio da Petrobrás fechou a Fafen-PR, localizada em Araucária. Promoveu uma demissão em massa, o que provocou a maior greve da categoria petroleira dos últimos 25 anos. Meses depois o próprio governo do Paraná se viu necessitado por investir em uma unidade misturadora para fertilizantes importados.

Privatização só traz prejuízo para o Brasil

Com a postura passiva do presidente já aceitando a possível crise de desabastecimento alimentar em 2022 da qual chama de “seríssima”, sendo isso uma consequência da falta de fertilizantes no mercado internacional, o governo assume a responsabilidade da falta de planejamento que ele mesmo mergulha o país.

O Brasil com as privatizações saiu de um importante setor petroquímico e deixou o seguimento agrícola nacional na dependência importação de fertilizantes para a produção de alimentos. O que revela a desastrosa política de planejamento do governo que renega o país em detrimento aos interesses privados.

TV SINDIPETRO PE/PB

Siga-nos no Twitter